06/10/2009

Ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, visita o povo Ashaninka



Relatório da visita do Ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, ao Centro Yorenka Ãntame, à Aldeia Apiwtxa e ao Sawawo, aldeia ashaninka na fronteira com o Peru, no período de 17 a 24 de setembro de 2009.

por Benki Piyãko Ashaninka*

Recebemos no sábado, 19/09/2009, o Ministro interino da Cultura Alfredo Manevy e sua equipe, no Centro Saberes da Floresta Yorenka Ãntame, onde pernoitaram.

No dia seguinte, realizamos uma reunião, na qual parciparam também jovens do município de Marechal Thaumaturgo, o Grupo de Estudo Teatro e Dança (GETD) e o Secretário de Meio Ambiente, Isaac Piyãko.

O assunto da reunião com o Ministro foi sobre cultura, arte, lazer, meio ambiente e educação. O Grupo de Estudo Teatro e Dança apresentou sua proposta de teatro para a juventude que resgata o conhecimento das populações indígena e não indígena. A conversa foi considerada muito importante por todos.

Depois do encontro fomos almoçar, e viajamos no dia seguinte para a Aldeia Apiwtxa, onde o Ministro teve a oportunidade de conhecer onde meu povo e eu moramos.

Na viagem para a floresta, ao chegarmos na Aldeia Apiwtxa, visitamos a criação de quelônios, jabuti, piscicultura e apicultura existentes. À noite tomamos ayuaska com meu irmão Moisés e outros membros da Aldeia para a conversa com os espíritos e para o Ministro ser bem recebido pela floresta.

De manhã, fizemos uma reunião sobre o Projeto Kowitsi de Cultura Tradicional Ashaninka, cuja oficina de cerâmica estava sendo realizada durante a visita do Ministro, juntamente com o trabalho dos cineastas indígenas, com a parceira do Vídeo nas Aldeias. Estas oficinas, que foram apoiadas com recursos do Ministério da Cultura e do Ministério do Meio Ambiente, e fazem parte das atividades do Ponto de Cultura existente na Aldeia Apiwtxa, puderam ser vistas de perto pelo Ministro Alfredo Manevy e sua equipe.

Durante a reunião, o Ministro se apresentou e falou de sua visita à Aldeia, que estava de férias e também queria viver um pouco da nossa vida na floresta. Essa experiência, segundo seu relato, foi única e importante para conhecer a nossa história e observar uma cultura de verdade na floresta. Afirmou também que é sua meta e de seu Ministério melhorar e apoiar mais projetos e culturas, de forma que venha também trazer de volta a integração dos povos de forma educacional. Falou que o Centro Yorenka Ãtame (saberes da floresta) é uma base da Apiwtxa que tem grande chance de integrar a sociedade, fortalecendo assim a conscientização da juventude como já tem feito em seu trabalho. Durante estes três anos de trabalho do Centro Yorenka Ãtame, isto tem se fortalecido e o que depender de apoio do Ministério será dado através de novos projetos.

Logo após sua fala, fomos almoçar e viajamos para Aldeia Sawawo, que realizava a Festa de Primavera, uma festa de criança. Partimos para Sawawo às 14 horas e, durante a viagem, assistimos o nascimento de filhotes de quelônios na praia do Tabuleiro, mantida por nós, também pescamos bastante peixes e fizemos um grande jantar com peixes assados na brasa, na praia onde pernoitamos e apreciamos a beleza da lua e da noite e os cantos dos animais, acompanhado da festa feita pelos amigos tocando violão e enfeitando ainda mais a floresta.

De manhã cedinho, Potxo (meu cunhado) e Valdecir, meu irmão, foram mais à dentro da floresta e mataram duas aves, de nome nambu, galinhas do mato, servidas como café da manhã, acompanhadas de uma sopa de mandioca. Continuamos a viagem em direção a Sawawo, no caminho íamos pescando para o almoço e durante a sua preparação fomos passear na mata onde comemos larva de coco, de nome Pirioke, e, na volta, comemos peixes assados na brasa. Em seguida, chegamos à Aldeia Sawawo.

Chegando lá, fomos recebidos pelos chefes representantes daquele povo Ashaninka, que nos receberam de forma agressiva, logo contornada pela conversa que tive com eles. Explicamos a nossa visita e o que poderíamos fazer por aquela comunidade a partir das necessidades sentidas e observadas. Depois de sentir o clima melhor, o Ministro também falou com eles, explicando o propósito de estar ali visitando aquela Aldeia durante suas férias com seus amigos e que tudo aquilo poderia se transformar em um grande propósito de trabalho para aquela região. Ele estava sentindo a natureza de perto e conhecendo o modo como o povo Ashaninka vive na floresta e isto é um ponto à mais para defender a cultura brasileira e as cultura do mundo.

Logo depois da nossa conversa, tomamos caiçuma, bebida de mandioca, e tivemos a oportunidade de participar da festa das crianças durante a noite e de manhã cedinho. Ficamos até as 10 horas da manhã e retornamos para Aldeia Apiwtxa. No dia seguinte ele partiria para o município de Thaumaturgo e de lá seguiria viagem para Brasília.

Nessa viagem pude mostrar um pouco para o Ministro o que temos de beleza na floresta, vivendo o que o povo Ashaninka tem e que pode oferecer ao mundo como vida e felicidade. Eu pude mostrar os pequenos detalhes de nossa forma de viver e a responsabilidade que nossas lideranças têm em cuidar dessa nossa riqueza e cultura, como forma de equilíbrio para a vida do mundo.

Falei para o Ministro que temos uma proposta de ampliar para o mundo a parceria com as comunidade locais, governos e especialmente os Ministérios, para fortalecer a rede de comunicação com o mundo, fazendo a juventude compreender a importância das culturas tradicionais. Isto precisa ser melhor trabalhado, com a educação acadêmica e científica ampliando a tecnologia para os hábitos de vida tradicional. Viver na floresta é uma arte que também é uma academia de conhecimento prático que precisa ser reconhecido pelos jovens que estudam a vida da natureza.

O Centro Saberes da Floresta Yorenka Ãtame tem o objetivo de mostrar esta riqueza que hoje ainda temos e que não deve ser perdida na sociedade. O nosso propósito como povo indígena é trabalhar de forma sábia e inteligente essa cultura rica, para manter nosso conhecimento em equilíbrio de vida. A floresta é uma fonte de sabedoria para quem vive nela olhando e observando seu ciclo de vida como mágica e segredos da ciência prática, resgatando assim as raízes de nossos antepassados, como as história e os mito, que devem ser conhecidos pelo mundo.

Com estas experiências, pude falar ao Ministro Alfredo Manevy sobre alguns propósitos que o Centro Yorenka Ãtame vem trabalhando e que pode ainda trabalhar, como um Ponto de Cultura, através da difusão de práticas e experiências adquiridas em nossa tradição, estimulando as pessoas a manter seu conhecimento na floresta. É recuperando a floresta com plantios, e resgatando histórias, fazendo teatro e trabalhando o manejo da biodiversidade, e fazendo intercâmbios com os outros povos da floresta e com acadêmicos cientistas, que produzimos cultura.

Podemos produzir festivas culturais, músicas, esportes e diversos outros lazeres que existem em nossa região, como poetas da floresta, músicos e artistas brasileiros, e do mundo, e isto pode enriquecer nossa vida na floresta chamando a atenção do mundo para manter a Amazônia viva, sem destruir, trazendo outros potenciais para manter o planeta vivo. Podemos criar uma escola de arte musicais, pintura e um estúdio para gravação musical e um rádio de comunicação. Podemos fazer intercâmbios com líderes espirituais do mundo inteiro, sejam indígenas ou não, para falar de vida para a juventude brasileira.

Vejo o futuro de nossa geração em nossas mãos e com os nossos conhecimentos e ensinamentos esses jovens vão seguir em direção à um futuro melhor. Se não deixarmos planos bons sobre a vida, acabaremos por deixar grande sofrimento para suas vidas no futuro. E nós somos os responsáveis deste plano futuro para assegurar vida às nossas futuras gerações.

Vejo a nossa floresta sumindo por falta deste compromisso, um compromisso que devemos assumir como caráter ético de assegurar o futuro do mudo. Queremos fazer parte deste plano e podemos ajudar o nosso povo brasileiro como um índio Ashaninka através do Centro Yorenka Ãtame.

Clique e veja o álbum de fotos da visita de Alfredo Manevy e sua equipe ao povo Ashaninka:
Ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, visita o povo Ashaninka

*Benki Piyãko Ashaninka, Coordenador do Centro Saberes da Floresta Yorenka Ãtame.

2 comentários:

Vi disse...

Maravilhoso. Estou 100% com vocês. São palavras de peso, que vem e vão direto ao coração. Amo vocês. A tristeza que senti, profunda, quando saí da Apiwtxa, mostrou que a ligação é muito forte.
Falta o agradecimento. Por cuidarem de todos nós, por cuidarem do Mundo.
Pela hospedagem, carinho e cuidado que por nós tiveram.
Contem comigo sempre!

Apiwtxa disse...

Nós é que agradecemos muito, amiga Vi.